The Replicator, season 13, writers’ strike, USC: an exclusive interview with Harry Bring, the LLPOS of Criminal Minds

Criminal Minds BR proudly publishes its first exclusive interview with a crew member of our favorite show. After a Twitter request, producer Harry Bring answered some questions of our team about his job on the show and what’s in store for next season.

PCA_IMG_2643

Harry Bring holding the People’s Choice Award CM won this year

As the writers’ strike is out of the way for Criminal Minds, Harry says he is “going to love the rest of hiatus for sure.”

Check out this fun interview with one of the most approachable CM crew members.

Criminal Minds BR: First, we see you are a great fan of the USC sports teams. So, we assume you were graduated in it. Please, tell us something about your College days.
Harry Bring: I did not attend the University of Southern California unfortunately. I have given a few TV production seminars at their film school though.
Back when I was 10 years old my dad took me to a USC football game and I became and instant and avid fan of their athletic program.
I have had season tickets to their football games since 1965. Oddly, I did not attend any college. I wish I had. I took the route of working myself way up from starting in the “mail room” in 1964, became an assistant film editor, became an assistant director, then production manager, and finally a producer. A long and blessed 52-year career.

CMBR: Every year you and CM (and other shows) crew make some campaign or anything remembering Sarah Jones. Can you tell us how the memory of her loss has improved the work conditions on set?
HB:
For me, the loss of Sarah Jones carries so much emotion. I was part of the team on Army Wives that hired Sarah into the business when she graduated college.
Sarah was on our show for 4 seasons before I left to come to CM and she sprouted her wings to try different productions.
Sarah was a wonderful person with so much potential and her life was ended by an unsafe work decision and total lack of leadership.
I use Sarah as a standard for safety on our set now and we honor her every single day by keeping things safe on set.
My big speech to our crew on the first day of production every season is “Be Safe”, “If you see something unsafe, say something”. It’s every single crew member’s responsibility to themselves and others to monitor safety. So many ways to be injured, from simple tripping over a cable to big action sequences on set that could cause harm. [get to know more about Sarah Jones’ story HERE]

Sarah_IMG_2281

Harry Bring on set holding a picture of Sarah Jones

CMBR: You’ve been in Criminal Minds for six years now. Can you tell us what is your favorite episode and/or unsub so far?
HB: 
It has to be “The Replicator” 824. Working with Mark Hamill was such a pleasure. The aerial and explosion special effects work was special too.
I spent time with Mark and we talked about our children mostly. Mark’s daughter was a student at USC at the time so we had that in common.

Replicator_BI1GW2ACMAEv-xl

Harry Bring & Mark Hamill

CMBR: Besides the technological progress has anything else changed in producing a show in the latest 20 years?
HB:
The enhancement of Green Screen and CGI has changed how we do things immensely. We can do things now very easily and quickly which used to take hours of work and sometimes days. The work we did back on the XFiles took days and now takes just hours. Really nice advancements.
We can enhance or create simple things like gunfire, explosions, stunts, etc so much easier now than in the past.

CMBR: You are one of the most interactive crew members of Criminal Minds. You post a lot of BTS pictures and info and we thank you so much for that. Do you use your social media to see the reactions of the audience to the show so you can use this information on the show? How do you think the audience’s opinion on SM can influence a show nowadays?
HB:
I do check on fans reactions to most of my BTS posts. I do pay attention to SM reaction and mention some things to the creative team, whether they take action on it or not. Our writing staff does pay attention to SM posts and requests as well. They usually try to take action on fan requests but for many reasons, very few wishes can be granted. I know fans want certain things to happen but there are so many creative reasons that prevent addressing their wishes.

12x14

Harry Bring on table read of a Season 12 episode

CMBR: Can you tell us how is your job on Criminal Minds? Like, do you have any hand on developing plots or so?
HB:
My job as Line Producer is basically to be in charge of all physical production. The schedules, planning, financial. I make sure we stay on budget while overseeing the day to day work, both on set and in preparation. Basically, I’m the ship’s captain. I sort of steer the ship. I make the “plots” come to life as best we can.
My creative input usually comes from me addressing our budgetary challenges. As an example, if a writer writes a circus sequence and we can’t afford it, I will suggest a carnival. The story can stay the same and we can afford a carnival. Heh heh heh.

CMBR: You got a lot of experience in long-run shows about some controversial topics, like X-Files and Criminal Minds. As a producer, how do you balance the basic plot of a show, the creativity of the writers, the possibility of putting it to practice (in budget terms or so) and the interest of the audience in it?
HB:
Great question! My long-running shows Melrose Place (Soap Opera). The XFiles (Science Fiction blended with Law Enforcement). Army Wives (Lives of those left behind while spouses are at war). Criminal Minds (Procedural Crime Drama). All different in so many ways. My early mentors in the business all taught me one thing. “Be a Chameleon”. Adapt to the project, the problems, and the day. Great advice and I give them credit for my success. Every day is different. Every hour is different. Address, react, apply, move on to the next task or challenge.

Golfe_IMG_2247

Glenn Kershaw, Danny Ramm, Harry Bring, Joe Mantegna & a friend of Joe’s

CMBR: The show has changed its “formula” in the latest years, with more personal stories and more serialized arcs and it’s been quite controversial among the fans. Can you tell us why and how the producers decided to do that?
HB:
The show has changed, especially in the 6 years I’ve been here. We never run out of stories about serial killers or evil crimes. We do embellish the stories in keeping with network standards and practices. In the past several seasons we have added more to the personal stories of our characters. I think the audience does like to see/hear about the individuals personal life. It has increased within the show and I think that is partially in reaction to the fans wanting to see more about the character’s lives. Some are done within episodes that have a quicker crime solution which would have more time to tell personal stories.

CMBR: Criminal Minds has very obscure topics and has always stood out from other procedural shows by addressing it in a much more realistic way. Has that caused problems with the parental guidelines yet? How did you deal with it?
HB:
The CBS department of “Standards and Practices” keeps us in tow. Starting with the script all the way through the finished episode, they make sure we adhere to their guidelines of acceptable and responsible television for their audience. We have limits to portraying violence, sex content, disturbing actions that would be offensive to the audience. It’s a good thing.

CMBR: Can you tell us anything about cast negotiations for season 13?
HB:
Season 13 is in the bag now. Yay! 22 episode pick up and we air the first episode in America on September 20th. As far as I know right now all cast members are signed for next season, whether it’s a new contract or an extension of their old contract. The potential Writer’s Strike was avoided last night as the writers settled on a contract for the next 3 years. Yay!

MGG_IMG_2641

Matthew Gray Gubler & Harry Bring

CMBR: We’re looking forward to the next milestone of Criminal Minds. Is there any outline of what you’d like to show the fans on season 13 and the upcoming episode 300?
HB:
Because the writer’s room does not start back until early June, I’m not aware of the stories or direction our show will take. As you will know shortly, there is a big cliffhanger coming in this season’s finale 1222. So, there will be some big story to pick up from when we show the audience next season’s premiere.
I can’t wait to see what’s in store for you, the audience, and me, the ship’s captain.

CMBR: Finally, your nickname on Twitter is LLPOS. And we’ve always been curious about the meaning of it…
HR: 
LLPOS stands for Low Life Piece Of Shit. It’s been my nickname for the last 24 years. Given to me by the cast and crew of Melrose Place. It is an endearing nickname. Funny. Not the true me. It was given to me more for my weird sense of humor. I hope you and your readers don’t be offended.

Translated and Edited by Patricia Angelica & Dayana Alves Coelho

Anúncios

“Tudo em moderação, inclusive a moderação”

Imagem

Essa é a frase favorita de Joe Mantegna. O que define sua personalidade inteiramente. Em um chat com os fãs mandando perguntas pelo twitter, respondeu coisas sobre a Season Finale da 9ª temporada e outras coisas tão legais quanto! Revelou que ele, Matthew Gray Gubler e Thomas Gibson voltarão a dirigir episódios na próxima temporada e que é muito difícil se tornar um profiler da vida real. Além de dizer quem são os alvos das brincadeiras de Matthew nas gravações. As perguntas mais importantes e interessantes que foram feitas estão traduzidas pra vocês!

Qual é a melhor coisa de estar em CM?

Sabe algumas coisas… Acho que o núcleo dos 7 personagens…tem algumas idas e vindas, mas somos basicamente os mesmos faz um tempo já, e isso é bem legal. Essa família que criamos é a melhor coisa da série. Fora isso, o fato de termos fãs em todos os lugares do Mundo, isso também é bem legal. Eu adoro atuar e adoro fazer a série e ver que as pessoas gostam é fantástico.

 Você se considera parecido com o David Rossi?

Um pouco, sim. Trabalhando como um ator de série, eu decidi que ia incorporar coisas minhas nos personagens. Diferente de um filme, que você faz por um período de tempo e acabou, a série você provavelmente estará fazendo ano após ano, após ano, e eu tenho feito isso por 7 anos. Então fazendo um personagem por tanto tempo, você espera que tenha muito de você nesse personagem. Então há muitos aspectos do Rossi: Ele é americano, como eu. Ele gosta de cozinhar e eu também… Enfim, tem muitas coisas iguais, muitas coisas diferentes.

 O que tinha no Rossi que fez com que você quisesse interpretá-lo?

JM: Bem, isso é meio como responder “O que veio primeiro: o ovo ou a galinha?”, eu não queria interpretar David Rossi até eu descobrisse quem o David Rossi era, eu sabia que queria estar naquela série, mas não tinha muita certeza para onde eu iria com a personagem, então foi meio que uma exploração, pra mim também, descobrir quem era aquele personagem. Temos uma equipe de roteiristas muito bons, e quando conheci o roteirista original, Bernaro, pude saber o que ele pensava da personagem, para onde ele queria ir Rossi, delimitou que ele estaria aposentado e que agora era um escritor de livros famoso, baseado em um profiler do FBI da vida real que teve uma carreira inteira fazendo isso… Então camada por camada, episódio por episódio eu tive que construir o personagem para saber quem ele era. Eu tive que achar o Rossi do mesmo jeito que os fãs. È uma jornada contínua depois de 7 anos, pra mim, 9 anos pra série, continuar forte.

 Como ser pai afetou você para fazer Rossi?

JM: Essa é uma boa pergunta. Acho que ser pai afetou tudo, não só interpretando Rossi, mas fazendo tudo o que eu faço na vida. Os fãs tem acompanhado a série sabem que tem 1 episódio, 2 episódios na verdade, que fizemos com a minha ex-esposa, interpretando a minha primeira esposa, Isabella Rossi e o fim do segundo episódio onde, acho que isso nem é mais spoiler aconteceu à 3, 4 temporadas atrás, que ela morre e você descobre na cena final que nós tivemos um filho que só viveu um dia…então todas essas coisas são camadas da minha personalidade e que eu acho que obviamente afeta Rossi. E eu já tenho algumas ideias para essa próxima temporada, algumas coisas que quero incorporar e que tem a ver com a sua pergunta… Enfim, vamos ver.

 Se você visse outra Sra. Rossi, quem você gostaria que interpretasse?

Sabe, como os fãs sabem tem mais duas outras Sras. Rossi por aí e em um dos episódios fizemos uma alusão a uma delas ser Afro-Americana, então isso abre muitas possibilidades para muitas atrizes, tanto para ambas as Sras. Rossi. E nós não dissemos nada sobre a etnia da outra Sra. Rossi, então quem sabe pra onde isso pode ir também? Então vamos ver, eu não tenho uma lista de preferidas nessa parte, acho que vamos ter que esperar pra ver, mas posso ver nós explorando isso, seguindo essa linha de história, descobrindo mais sobre uma ou outra Sra. Rossi e sabe, por quê não? Eu acho que os fãs, depois de 9 anos merecem saber o máximo que eles podem sobre um personagem, e isso deve ser tão divertido quanto resolver os crimes que resolvemos.

Rossi foi o único personagem que ainda não levou um tiro, foi esfaqueado ou torturado. Ele é bom para se manter longe de problemas?

Sim, com a idade vem a sabedoria e você aprende a se esquivar das balas. Se você se lembrar bem, tem um episódio, acredito que na temporada anterior, que ele foi envenenado e eu estava tirando um pouco disso e a perda da Strauss como resultado. Mas, sim, eu tenho sido capaz de me esquivar da bala até agora, mas quem sabe o que vai acontecer? Mas eu gosto de acreditar que com a idade vem a sabedoria e que o Rossi pode se esquivar melhor que os outros.

Qual sua melhor lembrança das filmagens?

Bem, essa é difícil, Justin. Eu não sei se consigo destacar uma única lembrança. Você sabe que está fazendo algo certo quando têm vontade de ir trabalhar todo dia e eu tenho, quer dizer eu sou uma pessoa que fica entediada facilmente e se eles me dissessem que teríamos que começar a gravar de novo semana que vem eu diria “Tudo bem, vamos lá, vamos fazer isso”. Mas eu tenho muitas ótimas lembranças, talvez daqui alguns anos eu conseguiria dizer “Isso foi um ponto alto, ou esse foi um ponto alto”. Dirigir um episódio na temporada passada foi uma alegria pra mim, e fazer dois episódios que conseguimos incorporar os militares foi ótimo e lidar com o passado do Rossi no Vietnã e falar sobre o New Directions que é um lugar real que foca em viciados e alcoólatras, isso foi bem especial também.

Qual a coisa que mais te assusta na série?

O fato de que pode acabar algum dia, isso é a única coisa que me assusta sobre essa série. As pessoas muitas vezes me perguntam se a série não me deixa assustado e essas coisas e tenho que dizer, e eu já disse muitas vezes, a série não me assusta, eu a acho assustadora ou perturbadora, eu sei que há homens e mulher do FBI que fazem isso todo dia, na BAU e homens e mulheres envolvidos na lei, homens e mulheres que são médicos e lidam com essas tragédias todos os dias. Na série nós estamos inventando, mas nós estamos tentando mostrar o que eles fazem o mais real possível e é por isso que é perturbador, nós não fingimos, não dissemos “Ah, não vamos mostrar como realmente é”, nós mostramos como é de verdade, algumas vezes é perturbador, mas acho que é importante e acho que os fãs querem isso porque é realmente isso o que esses homens e mulheres fazem. Então Deus os abençoe e nós deveríamos estar gratos pelo que eles fazem, então nós tentamos ser o mais honesto possível. Então não, essas coisas não me incomodam, não me assustam e espero que esteja educando as pessoas, que elas aprendam algumas das coisas que mostramos. E acho que é por isso que muitas mulheres são fãs, elas são inteligentes e entendem a verdade e muitas das coisas perturbadoras que assistem. Tem um drama, mas também há conhecimento: coisas que temos que evitar, coisas para prestarmos atenção e lições a serem aprendidas.

Quem você gostaria de ver como convidado fazendo um UNSUB?

Tivemos muitos bons atores, atores que eu já era fã e foi muito trabalhar com eles. Tim Curry, por exemplo. Eu adoraria ver Ringo Starr como UNSUB, porque eu encontrei com ele em um evento e ele virou pra mim e disse: “Resolvendo muitos crimes, ultimamente?” e eu fiquei pasmo e ele disse que era fã da série. Eu sou fã dos Beatles há muito tempo, então seria uma honra. Adoro quando os artistas dizem que gostam de CM. Eu soube que a Julie Andrews também gosta… Oh meu Deus, a Julie Andrews daria uma ótima UNSUB também…

Algum conselho para jovens atores?

Apenas aproveite e vá com tudo! Se eu fosse colocar tudo em uma frase seria: Aproveite a jornada, não se preocupe com o destino. Você tem que amar o processo, e não se preocupar se quer chegar ao topo, porque talvez você não consiga chegar onde quer… Então se você está nisso pra ser famoso, mude de profissão.

Você é tão bom nos Simpsons, alguma chance de voltar à comédia?

Eu ainda faço os Simpsons, é meu 23º ano fazendo Tony. Eu amo fazer Comédia! E eu gosto muito de comédias musicais também… Meu primeiro papel foi em “Hair”. Eu sempre tento por um pouco de humor no Rossi e na série acabamos fazendo isso, porque essas pessoas que trabalham na BAU precisam de um pouco de humor na vida delas.

Frase favorita: Tudo em moderação, inclusive a moderação.

 Qual a coisa mais estranha que já aconteceu durante as filmagens?

Algumas coisas estranhas aconteceram… Shemar às vezes é o alvo das esquisitices que acontecem na série… Shemar tem medo de animais selvagens, então em alguns episódios, nós usamos esse medo e por exemplo, ursos de verdade e vivos já apareceram no set, e outros animais e quando o Sr. Moore menos esperava. Esses foram alguns dos nossos momentos estranhos filmando…Mas nós gostamos de ver esse lado frágil do Shemar, e um urso vivo pode fazer isso… Tenho que admitir que faria isso comigo também, mas esses momentos são divertidos não só pro Shemar, mas pra nós também.

O Matthew adora pregar peças… Ele já pregou alguma peça em você?

Sim, algumas pequenas… Nada muito intenso, acho que ele respeita os mais velhos, então ele me dá uma colher de chá. A Paget era sempre um alvo das brincadeiras dele, Shemar também, mas ele me dá mesmo uma colher de chá. Ele gosta de brincadeiras mais profundas, mas acho que nessa próxima temporada talvez eu vire alvo dessas brincadeiras… Vamos ver o que acontece.

 Se você pudesse ser qualquer UNSUB que já passou, qual você seria?

Essa é uma ótima pergunta, tivemos ótimos UNSUBs. O episódio que eu dirigi, eu gostei do UNSUB, porque são esses poucos momentos que nós temos um UNSUB que temos empatia por ele, se você lembrar do episódio você verá que ele meio que um “Vigilante”, então as pessoas que ele matava era os vilões. Frank Muniz fez um episódio assim também há alguns anos, onde ele era também um “Vigilante” e matava pessoas que tinham mudado a vida dele de um jeito ruim, então nós temos empatia com esses UNSUBs e eu acho uma coisa muito interessante a ser explorada porque quando nós o pegamos nós também sentimos um pouco de empatia, porque no caso do Frank por exemplo foi uma tragédia que aconteceu: a namorada foi morta na frente dele e no fim ele foi basicamente colocado em uma clínica. Esses personagens são complexos de se representar, então provavelmente eu gostaria de fazer um personagem assim.

 Você tem algum spoiler pra 10ª temporada?

Não…eu não tenho… Tudo o que posso dizer é que nem nós sabemos pra onde vamos nessa temporada, o que é ótimo… Acho que os roteiristas pegam esse tempo de férias para pensar em ideias e nós do elenco também damos ideias então eles incorporam um pouco das ideias que nós damos.

 O que podemos esperar da Season Finale (último episódio da temporada)?

Nós geralmente terminamos a temporada com tudo. Terá ação, temos uma frase que diz “Se você tiver dinheiro pra fazer um filme, coloque na tela”, ou seja, nós mostramos tudo aquilo que a gente pode, tentamos ir além do que uma série comum. Esse episódio será satisfatório, um episódio que te deixará ansioso pela próxima temporada, algumas coisas vão acontecer e as coisas vão ser diferentes e mudar, mas acho que no fim todos vão gostar, não há razão para as pessoas não gostarem como gostaram nas outras temporadas. Obrigada pelo apoio dos fãs nós nos vemos na próxima temporada!

Texto inicial: Cla

Tradução e revisão: Cla

A entrevista original e na íntegra você confere no Youtube.

Spoilers s09e20 e David Rossi recebe o Lifetime Achievement Award

Imagem

ATENÇÃO: O POST A SEGUIR PODE CONTER SPOILERS DOS PRÓXIMOS EPISÓDIOS DE CRIMINAL MINDS

 

Quinta-feira passada a CBS optou por uma reprise de “Route 66”. Episódio no qual Hotch luta para sobreviver por causa de George Foyet (ou The Reaper) e alucina com a sua falecida esposa Haley.

Nesta Quarta, 2 de abril, a CBS vai estrear o episódio 20 da 9ª temporada intitulado Blood Relations. O Hollywood Hills tem exclusividade no comunicado oficial do episódio. Este episódio, que vai ser um particularmente horrível, onde a equipe da BAU vai enfrentar duas famílias rivais em West Virginia que podem estar ligadas às investigações de assassinatos. Será esta uma abordagem semelhante ao clássico Romeu e Julieta, mas com menos amor e mais sangue? Isto não é surpreendente, considerando que o diretor do episódio Criminal Minds é ninguém menos que Matthew Gray Gubler (Dr. Spencer Reid).

Em uma outra entrevista com o GuideTV, Gubler revelou que ele já dirigiu um grande número de episódios de Criminal Minds, com a maioria deles sendo os mais estranhos de toda a série. “A maioria dos episódios de Criminal Minds estão na Terra (ou seja, são “pé no chão”, possíveis). Os meus são geralmente de Júpiter. Este é de Marte”, disse Gubler , referindo-se ao episódio “The Gatekeeper” do início desta temporada .

 

Quem poderia esquecer de “Heathridge Manor”, onde um irmão matou mulheres que ele havia pintado em quadros porque achava que eram bruxas disfarçadas ? Ou a maneira, aparentemente ritualística, mas muito distorcido, que o suspeito tinha transformado as suas vítimas (pista: eles se tornaram bonecos vivos em um teatro) em “The Lesson”? Isso é apenas uma amostra da direção de Gubler, e parece que “Blood Relations” não vai ser diferente. Isso é “precisa-ver”.

 

Agente David Rossi recebe o Lifetime Achievement Award

 

Joe Mantegna, que interpreta o agente David Rossi em Criminal Minds , acaba receber o Lifetime Achievement Award da Hollywood Chamber of Commerce (Câmara de Comércio de Hollywood). “Às vezes os anos passam por e então você pisca e a próxima coisa que você percebe é que esteve neste negócio há mais de 40 anos e foi o que aconteceu comigo”, disse Mantegna, em entrevista à Variety.

 Os papéis de Mantegna no showbusiness mostram o quão flexível pode ser seu personagem. Por um lado, ele está interpretando o papel do agente do FBI David Rossi nas últimas sete temporadas (as primeira e segunda temporadas eram com Mandy Patinkin) e, aparentemente, a série está entrando em sua 10ª ano que vem. Mas, ao mesmo tempo, o relatório (do prêmio que ele recebeu) observa que ele tem sido a voz do mafioso Fat Tony em Os Simpsons por 23 anos. É como fazer o papel de Polícia e Ladrão e ele conseguiu interpretar os dois lados. E não é limitado séries de TV. Mantegna teve sua parte do teatro onde sua carreira começou. No entanto, dado que Criminal Minds teve um grande de sucesso nos últimos anos, ele mal tem tempo para se dedicar ao teatro, embora ele tenta se dedicar para outros projetos fora de Criminal Minds.

 

Matéria: GuideTV

Tradução e Revisão: Cla

Arte na foto: Cla