Harold Perrineau consegue papel recorrente de destaque em Criminal Minds

harold1

Harold Perrineau – Photo by Robin Marchant/Getty Images

Criminal Minds continua a reforçar o seu elenco na sequência das saídas de alto perfil de Thomas Gibson e Shemar Moore. O TVLine divulgou exclusivamente que Harold Perrineau, veterano de Lost, está se juntando ao processual de longa duração da CBS em um papel recorrente importante. O ator, que foi visto mais recentemente no drama jurídico da Amazon, Goliath, interpretará Calvin Shaw, um ex-agente do FBI, encarcerado por matar um de seus informantes. Shaw tem um atrito com um agente da BAU e a equipe deve determinar se ele é um amigo ou inimigo – – ou se ele poderia se tornar um vilão perigoso.

Continuar lendo

Podcast CMBR Hiatus 2016 (CM Beyond Borders – recap 1ª temporada)

cmbb

Demorou, mas aí está! Depois de desencontros pra marcar a entrevista, dificuldades (falta de tempo olímpica) para fazer a transcrição traduzida da entrevista para aqueles que não entendem inglês (baixe o arquivo aqui: http://bit.ly/2auWs5E), finalmente temos a entrevista com Bobby Chacon, ex-agente do FBI e consultor da produção de Criminal Minds: Beyond Borders.

Seguem alguns links de coisas citadas por Bobby ou por nós na entrevista:

Especial do SporTV com a presença de Bobby e Christy (a partir dos 23 minutos): http://glo.bo/2auRTbx

Podcast FBI Retired Case File Review – with Jerry Williams: http://bit.ly/2aiuGWQ

Podcast Real Crime Profile – with Jim Clemente & Bodhi Elfman: http://bit.ly/2api5D4

Equipamento da equipe de mergulho do FBI entrando em um avião da Força Aérea americana - photo by Bobby Chacon

Equipamento de mergulho do FBI no avião da Força Aérea/Dive equipment in an US Air Force plane – photo by Bobby Chacon

O bolo de despedida que os brasileiros fizeram/Farewell cake Brazilians made - photo by Bobby Chacon

O bolo de despedida que os brasileiros fizeram/Farewell cake Brazilians made – photo by Bobby Chacon

Confira a nossa entrevista super informativa e divertida com o querido Bobby Chacon: http://bit.ly/2e9A2dB

Podcast CMBR Hiatus 1.03 (SF 1ª Temporada – ‘The Fisher King’)

02 FISHER KING

Terceiro podcast especial de Hiatus abre uma série super bacana: a análise de cada um dos nove season finales que vimos antes da 10ª temporada.

Começamos, é claro, com “The Fisher King (part I & II)”, que encerra a primeira temporada, mas a conclusão da história só acontece no primeiro episódio da segunda temporada. Então, Debora, Tati e eu, entre outras coisas, falamos da beleza e da importância do cliffhanger ao final de uma temporada.

Tá esperando o que pra ouvir, opinar e compartilhar? É só baixar aqui e curtir a hora que quiser: http://bit.ly/1ID9ch3

P.A.

Criminal Minds – Primeira Temporada: O Gênesis

Season 1 (43)Dramas criminais nunca foram exatamente novidade para o público que em 22 de setembro de 2005 acompanhou a estreia de Criminal Minds, exibido e produzido pela rede americana de televisão aberta CBS em co- produção com a ABC Studios. Muitos destes shows de TV destacavam-se por se desenvolverem em determinado ambiente (como por exemplo, NCIS, cujo herança de ser spin off de JAG determinou que sua ação ocorresse na Marinha Americana). Outras, preocupavam-se em enfatizar o método de investigação criminal, como CSI e seus spin offs que visavam priorizar a investigação através do ponto de vista de evidências materiais. Muitas focavam-se no dia a dia de delegacias (como Without a Trace), paramédicos e bombeiros (Third Watch), ou ainda no desenvolver do crime sob a aspecto do tribunal (por exemplo, Law & Order e suas franquias). A inovadora The Ex Files (Arquivo X) caminhava de braços dados com teorias conspiratórias e fatos inexplicáveis e a saudosa Moonlighting (no Brasil, exibida como A Gata E O Rato) foi para a época o que hoje é Castle para seus fãs: um criminal que investe firmemente no romance e na comédia.

Nova pasta1

Criminal Minds prometia mais do que qualquer destes aspectos, prometia invadir a mente de um criminoso em série para assim poder prever seus futuros passos e impedir novos crimes. Nesta noite a série idealizada por Mark Gordon e Jeff Davis superou como melhor estreia a série Lost, que um ano antes estreava na casa dos 18 e meio milhões de telespectadores, que por sua vez, superou a última melhor estreia do gênero, que fora em 1995, com Murder One. Com 19.57 milhões de telespectadores, a série não conseguiu convencer, apresentando um episódio com mais promessas do que conteúdo. O roteiro de Extreme Agressor até que mostrou-se ousado e tentou levar a sério sua premissa, no entanto, com a difícil tarefa de inovar misturando-se à necessidade de apresentar e contextualizar muitos personagens regulares ( eram na verdade seis agentes, JJ aparece apenas a partir do segundo episódio da série), deixou muita coisa a desejar. O resultado de um episódio apenas regular foi a queda vertiginosa de sua audiência nos episódios seguintes (de 01×02 a 05, pela ordem Compulsion, Won’t Get Fooled Again, Plain Sight e Broken Mirror), com números girando entre 10 e meio e 12 e meio milhões de telespectadores. Embora contasse com o aval de exibição do canal, os produtores ainda lidavam com outro grande problema: americanos levam muito a sério a classificação etária dos seus shows e a proposta era mostrar crimes cruéis, criminosos sádicos, mentes deturpadas, muito diferentes dos assaltos a mão armada habitué de outras séries.

Season 1 (14)

Entre roteiros brilhantes, tomadas de câmera pouco comuns e montagens interessantes, a primeira temporada oscilou bastante em qualidade e audiência. Alguns episódios excelentes como o 01×06 – The Fox, 01×14 – Riding The Lightning, 01×17 – A Real Rain e 01×19 – Machismo foram aos poucos consolidando uma audiência que, se não trazia o resultado esperado em números na amostragem que interessa ao patrocinador, certamente se consolidava em números absolutos, voltando a bater entre 14 e meio e 15 e meio milhões de telespectadores em diversos episódios. Importante também foi descrição de casos reais semelhantes aos ficcionais, mencionados semanalmente, acrescentando credibilidade a um assunto pouco conhecido. Quem assistia às variadas barbaridades na tela, sentia-se mais confortável (ou não!! que mundo é este!!!) ao saber que tais casos tinham um fundamento, que coisas esdrúxulas não eram apenas tiradas da cartola sem veracidade. Uma Season Finale extremamente criativa (01×22 – The Fisher King – part 1) garantiu não apenas a renovação para nova temporada, mas um aumento surpreendente nos números.

Season 1- 2 lote (1)

Com um começo meio morno e episódios irregulares, os menos atentos ou insistentes não puserem fé na longevidade da série. Inúmeros outros shows que começaram um ano antes ou um ano depois de Criminal Minds foram ficando pelo caminho, com apenas duas, no máximo três temporadas. Em sua maioria, os episódios do novo show ficavam muito mais no difícil caminho da construção de um perfil do criminoso do que propriamente contando um pouco mais da vida de cada um dos agentes. O maior privilegiado nesta primeira temporada foi o agente Aaron Hotchner, que no primeiro episódio temos a oportunidade de descobrir que está para virar pai de primeira viagem e onde, aos poucos iremos acompanhar suas dificuldades em conciliar uma atividade profissional tão peculiar e extenuante com a saudável vida em família.

Curiosidades:

  • Embora a atriz Kirsten Vangness apareça em todos os episódios da primeira temporada, ela passa a ser creditada como parte do elenco regular da série apenas na segunda temporada.
  • Como dito antes, a atriz AJCook aparece interpretando Jennifer Jareau apenas a partir do segundo episódio da série.
  • Logo no primeiro episódio conhecemos aquela que será a esposa de Hotch na série por três temporadas: Haley Hotchner aparece grávida e é interpretada pela atriz Meredith Monroe.
  • Fica um pouco confusa na primeira temporada a função de Jason Gideon. Embora ele seja um agente sênior não em posição de chefia (cargo de Hotch), ele durante diversos episódios toma decisões e assume responsabilidades que ao meu ver caberiam ao chefe da unidade, por maior que fosse sua experiência ( função que passa a fazer mais sentido a partir do momento que David Rossi assume no lugar de Gideon, na terceira temporada).

Quer saber como uma das séries mais duradouras da televisão sobreviveu a tantas turbulências e continua sendo uma das grandes apostas da CBS? Acompanhe conosco os comentários sobre as diversas temporadas de Criminal Minds.

Até a próxima!

Débora Gutierrez R Clemente

Photos by CBS