13×02 “To A Better Place”

A EQUIPE BAU INVESTIGA TRÊS CRIMES SIMILARES NOS QUAIS OS RESTOS MORTAIS DAS VÍTIMAS SÃO DESCOBERTOS DENTRO DE VELHAS MALAS, EM CRIMINAL MINDS, QUARTA-FEIRA, 4 DE OUTUBRO

 THE BAU TEAM INVESTIGATES THREE SIMILAR CRIMES IN WHICH VICTIMS’ REMAINS ARE DISCOVERED IN OLD SUITCASES, ON CRIMINAL MINDS, WEDNESDAY, OCT. 4

13x02_ToaBetterPlace-

“To A Better Place” – A BAU investiga três crimes semelhantes em que os restos das vítimas são descobertos em malas velhas, em CRIMINAL MINDS, quarta-feira, 4 de outubro, às 23 horas, na rede de televisão CBS.

“To A Better Place” – The BAU investigates three similar crimes in which victims’ remains are discovered in old suitcases, on CRIMINAL MINDS, Wednesday, Oct. 4 (10:00-11:00 PM, ET/PT) on the CBS Television Network.

promo1

ELENCO REGULAR/ REGULAR CAST:

Joe Mantegna (David Rossi)
Paget Brewster (Emily Prentiss)
Matthew Gray Gubler (Dr. Reid)
A.J. Cook (Jennifer Jareau)
Aisha Tyler (Dr. Tara Lewis)
Kirsten Vangsness (Penelope Garcia)
Adam Rodriguez (Luke Alvez)
Daniel Henney (Matt Simmons)

ELENCO CONVIDADO/ GUEST CAST:

Alberto Frezza (William Lynch – Unsub)
Mary Jo Deschanel (Edith Lynch Old Woman)
Jeanine Mason (Helen Pierce)
Tiffany Daniels (Wanda)
Gretchen German (FBI Instructor)
Tim Russ (Agent Lawrence)
Karin de la Penha (M.E. Rosalind Bell)
Lisa McCullough (Holly)
Jodi Moore (Ruth Lynch)
Judah Mackey (Young William Lynch)
Damon Erik Williams (Cyclist #1)
Iain Sandison (Cyclist #2)
Tegan Ashton Cohan (Young Edith Lynch)

ESCRITO POR/ WRITTEN BY:  Bruce Zimmerman
DIRIGIGO POR/ DIRECTED BY: Diana Valentine

Tradução e edição/Translated and Edited by: Dayana Alves Coelho

Fonte/Source: CBS Express

2 respostas em “13×02 “To A Better Place”

  1. Eu conheci Criminal Minds, agora, assistindo à reprise, no canal AXN, das 3ª, 4ª e 5ª temporadas. Agora, eu estou acompanhando a reprise da 6ª temporada e dos episódios com enfoque no Dr. Spencer Reid, no mesmo canal.

    Todos os personagens me conquistaram de imediato, inclusive, os secundários Haley e Jack. Aliás, eu adorei conhecer a atriz Meredith Monroe e me afinei rapidinho com a Haley. Os meus personagens prediletos, no entanto, são o Dr.Reid, David Rossi e Emily Prentiss. Depois destes, vem Garcia e Morgan. Os únicos que não me desceram pela garganta foram Gideon, Aaron Hotchner e Strauss. Todos eles extremamente antipáticos, frios, duros.

    Mas, quem mais deixou marcas desagradáveis em mim foi, justamente, o personagem mais popular, entre os fãs da série, principalmente, entre as mulheres, que o consideram fofo, lindo e irresistível: Aaron Hotchner.

    Eu tentei me apaixonar pelo personagem, mas eu não consegui. Eu tentei gostar dele e, confesso, que por um espaço de tempo curtíssimo, eu cheguei a me encantar por ele. Mas, eu acho o Aaron muito frio, sisudo, duro, nunca relaxa, nunca sorri, obcecado pelo trabalho, escravo da BAU e do complexo de herói. De tanto se dedicar à caçada de monstros, ele ficou daquele jeito robótico e se afastou de Haley e Jack. Sentindo-se só, a Haley foi embora com o Jack. Apesar de não gostar do Aaron, eu queria muito, muito, muito que ele mudasse de comportamento e lutasse para se reconciliar com a Haley e reconstruir a sua família. Seria bom para ele, que faz um trabalho tão pesado, ter um lar sólido e caloroso para voltar, depois de um dia carregado de trabalho. Infelizmente, a Haley foi embora e, depois foi morta por Foyet. A morte brutal dela colocou uma pá de cal em qualquer possibilidade de que eu viesse a gostar de Hotch. Se o Aaron tivesse entregado a responsabilidade de prender Foyet à BAU e se juntasse à Haley e ao Jack, no programa de proteção a testemunha, como David Rossi o aconselhou a fazer, a Haley não teria morrido e o Jack não teria ficado sem mãe. Após a prisão ou morte de Foyet, ele voltaria com a sua família em segurança e continuaria o sue trabalho, na liderança da BAU. Thomas Gibson não sairia da série, pois a sua vida num esconderijo poderia ser explorada pelos roteiristas e o personagem Aaron Hotchner não seria menos homem e herói por causa disto. Enfim, havia várias maneiras da família Hotchner ser poupada, porém os criadores, produtores e roteiristas de CR não acreditam no amor, só na monstruosidade. Ironicamente, com a demissão de Thomas Gibson, Hotch, por amor ao filho e para protegê-lo e pensando nas promessas que fez à Haley, abandonou o FBI, foi para um programa de proteção a testemunha.

    Aliás, nas séries policiais, a vida pessoal dos personagens pouco importa, é como se um policial não fosse humano, só um robô no cumprimento do dever. e todos os policiais fossem infelizes na intimidade. Este clichê já está na hora de acabar. Seria um desafio interessante ver algo diferente.

    Depois do maldito episódio com a morte de Haley, eu quase abandonei CM, ela é uma boa série, tem outros personagens, inclusive, o meu predileto é Reid (que também tteve a namorada trucidada a tiros por uma psicopata! Deus!), atores muito bons, histórias arrepiantes.

    Se Thomas Gibson voltar para o elenco de CM e ele vai voltar, talvez, eu possa me reencontrar com o Aaron de uma forma mais positiva e mude a má impressão que eu tenho delel.

    • Oi, Gabriela, tudo bem? Desculpe minha demora em responder, minha vida é tão enrolada quanto a do Aaron, ehehehe. Vejo a serie desde o principio, talvez o fato de ter acompanhado a evolução dos personagens em ordem cronológica tenha me dado uma outra perspectiva.

      Estou longe de ser aquela que acha o personagem do Thomas “fofo” ou “apenas lindo”. Considero-o um personagens mais bem trabalhados de toda a série. Tanto admiro o personagem que escrevi fics sobre ele e como seria este outro mundo de “arrependimentos” em sua vida, considerando que ele próprio questionaria suas atitudes.

      Tenho uma amiga que trabalha como investigadora de polícia. Ela comenta comigo algumas coisas que batem muito com o que vejo no personagem, sobre ser casado com o emprego, sobre a dificuldade de manter uma relação normal porque não pode comentar com o parceiro sobre as investigações em andamento, sobre horários malucos e, principalmente sobre as coisas absurdamente tristes que vê nos casos, coisas que te deixam para baixo e não te permitem, por exemplo, ser uma pessoa que ri o tempo todo vendo tanta desgraça, principalmente com criança.

      Uma vez ele disse ao Rossi que se doou ao máximo às duas coisas mais importantes de sua vida: sua família e seu trabalho. O que ocorre é que talvez esta doação à sua família não tenha sido suficiente para sua esposa. Estou casada há trinta anos e posso te dizer, manter um casamento assim por todo este tempo é uma arte. Mas, é para poucos. A que se ceder muito, se aceitar muito, de ambos os lados. Não acho que seja para alguém com uma profissão tão complicada. É fato que o índice de separações e suicídios de policiais e bastante alto aqui ou lá fora, o que também serve para ilustrar que talvez o perfil do Hotch, do Gideon, da Strauss ( com seu alcoolismo), não esteja assim tão distante da realidade como você comentou ao chamar de clichê.

      Não acho que qualquer outro policial tivesse entrado para o programa de proteção com sua esposa e filho. Isso significaria abrir mão de toda uma vida, passar a ser alguém que você nunca foi e nunca será. A condição de Haley e seu filho era provisória, na esperança de que Foley fosse pego. No momento em que ele saísse do radar, mil outros casos surgiriam e o dele deixaria de ser prioridade. E eles passariam definitivamente a viver uma vida que nunca foi a deles. Não acho que qualquer homem na posição dele tomaria decisão diferente. Mas, como toda decisão tem consequências, ele teve que arcar com as suas depois da morte da ex.

      Para mim a história é bem coerente e o desenvolvimento do personagem até sua saída definitiva faz todo o sentido. Não concordei apenas com a forma como tiraram o personagem da última temporada, porque, aí sim, eles contrariaram todas as ações deles anteriores.Mas, aí foi um problema de bastidores e acho que eles nem tiveram boa vontade para encerrar a história dele.

      Escrevi para lhe responder apenas para você entender que nem toda fã do personagem acha ele lindo e fofo ( claro, deve ter fãs assim tb). O ator deu ao meu ver, vida a um personagem difícil ( porque é complicado ser sucesso sem rir, fazer gracinha, ou ser bonzinho), cheio de nuances pertinentes a vida real e desenvolveu-se de forma brilhante ao mostrar o amadurecimento através da dor e do sofrimento pessoal, ilustrando uma pessoa que tem dificuldades para exteriorizar sentimentos ou compartilhar experiências até com seu próprio filho adolescente. Pode ser que ao avançar das temporadas você acaba tendo uma percepção diferente do Hotch e entenda um pouco do meu ponto de vista.

      Quanto ao ator voltar isso não deve acontecer, pois a briga de bastidores foi muito feia e, por mais que eu ame o personagem, hoje não tenho mais esperanças em um retorno.

      Um grande beijo para você!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s